Notícias

O doutorando Ernesto Belo, membro do Neai, participou do  Seminário do Programa de Doutorado Interinstitucional em Antropologia Social,  realizado pelo Programa de Doutorado Interinstitucional em Antropologia Social UFRR/UFPE, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação-PRPPG do Programa Pós-Graduação em Antropologia Social – PPGANTS/UFRR Instituto de Antropologia-INAN da Universidade Federal de Roraima. Ernesto apresentou palestra na mesa redonda  "Recantos de beleza e resistência: o lugar da pesquisa e da extensão nos fluxos de venezuelanos para o Brasil" (27/06). O título de sua fala foi: "Como a irrupção dos Warao na metrópole manaura pode afetar a antropologia?" Confiram abaixo o resumo dessa apresentação de Ernesto Belo:
 
 
 
Título do trabalho: "Como a irrupção dos Warao na metrópole manaura pode afetar a antropologia?"
 
 
A irrupção súbita e de porte a partir de janeiro de 2017 de vários grupos indígenas da etnia Warao em uma metrópole como Manaus, não só necessita a implementação uma ação humanitária e emergencial, mas também de uma reflexão sobre como esse movimento migratório de um importante conjunto de grupos indígenas warao para a cidade afeta a antropologia que fazemos na universidade e próprio pensamento antropológico e suas categorias: cidades / florestas; identidades / transformações, sedentarismos / movimentos, etc ... aqui vamos pensar este processo sob um enfoque da "indigenização da modernidade" (Sahlins) e da "anti-miscigenação" (Kelly). Atualmente foram recenseados cerca de 600 Warao divididos em vários grupos na cidade de Manaus. A chegada destes grupos Warao nas cidades foi marcada e notada pelo fato que: 1. os Warao chegaram em grupos já constituídos e reagrupados em famílias que criavam acampamentos provisórios em diversos espaços urbanos - tudo se passa como se eles não tivessem vocação de desaparecer da paisagem urbana - e não um por um, individualmente como outros imigrantes que se diluíam na cidade  2. Pelo fato das mulheres warao acompanhadas de crianças se organizarem para pedir dinheiro nas ruas e semáforos das cidades.  A chegada de grupo de uma centena de Warao parece ter provocado um estado de perplexidade nas autoridades e população amazonenses. Enquanto há vários milhares de imigrantes venezuelanos na região Norte do Brasil, parece que estas poucas centenas de imigrantes indígenas Warao traz um problema social e politico, uma questão particular... Existiria então uma questão Warao nas cidades do Norte do Brasil? Ou será que desconstruindo esta construção politica de uma hipotética "questão warao" nas cidades, chegaríamos a conclusão que o que existe de fato é uma "questão populista" crescente no Brasil?